Blog 18/04/2019

#Nem1PraTras: Educação deve ser prioridade!

Instituto Natura participa do apoio à campanha #Nem1PraTras, liderada pela Fundação Roberto Marinho

Na data de 28 de abril, comemora-se o Dia da Educação. Pensando na importância da causa, a Fundação Roberto Marinho está promovendo ao longo do mês de abril uma mobilização nacional pelo acesso à educação de qualidade para todos.

Tendo como meta o lema “Não deixar ninguém para trás”, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), a Fundação realiza ações com foco nas soluções para os principais desafios da Educação brasileira. Até o momento, já são 79 parceiros apoiando a iniciativa, incluindo nós do Instituto Natura; são instituições que defendem a mesma causa, somando forças pelo direito de acesso à escolaridade de qualidade e à inclusão qualificada no mundo do trabalho para todos, em campanha assinada com a hashtag #Nem1PraTras.

Um Guia de Atividades, com sugestões sobre como organizar atividades presenciais que tratem dos desafios da educação foi criado, e está disponível neste site para as instituições – públicas, privadas e do terceiro setor — e pessoas físicas aderirem à ação e realizar iniciativas também em seus territórios de atuação.

No dia 28, o Futura terá 24 horas de programação exclusiva sobre Educação, com apresentação da jornalista Luciana Barreto. Esta programação especial inclui o lançamento da série Entrevista, com Priscila Cruz, presidente do movimento Todos pela Educação, dentre outros. O Dia da Educação, celebrado em 28 de abril, foi criado em 2000, durante o Fórum Mundial de Educação, realizado em Dakar, Senegal, quando ficou estabelecido o compromisso dos países signatários de levar Educação básica para todos.

 

Qual o tamanho do desafio?

O desafio é imenso. De acordo com o Censo Escolar 2018, as matrículas nas escolas públicas brasileiras vêm caindo desde 2014 e o maior motivo de preocupação é o Ensino Médio. Nos últimos cinco anos, foram menos 591 mil jovens matriculados, representando uma queda de 7%. Hoje, 900 mil jovens brasileiros, com idades entre 15 e 17 anos, estão fora da escola, e, dos jovens com idade entre 15 e 29 anos, 35% só trabalham e não estudam e 23% não estudam nem trabalham (Pnad Contínua 2017 – IBGE).